Descubra agora álcool provoca impotência

Álcool provoca impotência

O álcool pode ser a causa física, mas também a causa psicológica da impotência de diferentes maneiras. O consumo regular de álcool danifica as vias nervosas que conectam o cérebro e o pênis. Isso pode levar à disfunção erétil permanente.

Acabe já com a sua impotência, adquira já Duromax e mude sua vida!

A impotência e o álcool interagem mesmo na vida do homem saudável. É uma disfunção erétil temporária devido ao consumo excessivo de álcool, por exemplo, em uma festa organizada com amigos. Geralmente, esta disfunção erétil muito transitória não tem consequências na potência masculina.

Além disso, a longo prazo, o abuso de álcool pode causar disfunção erétil permanente, de modo que não apenas o álcool, mas também os fatores psicossociais que causam o abuso podem ser a fonte do problema. impotência.Assim, a disfunção erétil é um componente físico e psicológico direto e indireto.

Qualquer pessoa que beba mais de 600 g de álcool por semana deve esperar uma disfunção erétil permanente. Esta quantidade corresponde a cerca de 30 garrafas de 0,5 litro de cerveja.

Efeitos do álcool: distúrbio erétil temporário ou impotência?

A interrupção temporária da capacidade erétil ocorre quando a condução de estímulos nervosos do cérebro para os órgãos sexuais é prejudicada pelo excesso de álcool, ou se a estimulação não pode ser administrada ou tratada nos órgãos genitais.

Por outro lado, se a estimulação sexual, “a carícia do pênis, da glande ou dos testículos, não for suficientemente reconhecida ou tratada pelo cérebro, a ereção estará sempre presente. Não há desamparo.

O consumo regular e excessivo de álcool em humanos pode danificar permanentemente o sistema nervoso. Nervos do cérebro passando pela medula espinhal antes de chegar ao pênis são alcançados. Eles são gradualmente danificados e não poderão mais transmitir as informações necessárias para a produção de uma ereção normal.Álcool e impotência estão diretamente ligados.

Álcool e desequilíbrio hormonal: impacto na testosterona e no estrogênio

A longo prazo, o abuso de álcool provoca uma diminuição na produção de testosterona nos testículos. Existe então uma deficiência de testosterona. No entanto, a testosterona é essencial para a ereção. Ele fornece a chamada capacidade de relaxamento (relaxamento) dos músculos lisos do corpo do pênis, permitindo um influxo de sangue normal no pênis.

Além de outras conseqüências físicas, a falta de testosterona resulta em uma queda palpável da libido. Todos esses sintomas têm um efeito negativo sobre a psique do homem e pioram a situação.

O estrogênio é o hormônio mais importante nas mulheres, mas também é encontrado no corpo dos homens e até mesmo no sêmen. O álcool pode interferir na coordenação entre o sistema nervoso central e o sistema hormonal.Há um excesso de estrogênio além da deficiência de testosterona. Em um homem saudável, tal excesso é facilmente regulado pelo fígado. No entanto, em caso de abuso de álcool, esta regulamentação não é mais possível, uma vez que o fígado é afetado e apenas uma parte é funcional. O álcool e a impotência estão, portanto, indiretamente ligados às causas da impotência.

Impotência causada pelo álcool e prolactina

O consumo permanente de álcool promove a produção de prolactina, um hormônio sexual que estimula a lactação em mães que amamentam.

Uma causa de impotência pode ocorrer porque, em humanos, a prolactina influencia ou reforça a disfunção erétil dos músculos. Isso também se manifesta nos músculos do corpo cavernoso do pênis e, ao mesmo tempo, suprime os reflexos necessários para seu relaxamento.

Fumar como causa de impotência

Quem fuma muito, danifica os vasos sanguíneos. Transtornos de poder ou impotência são uma clara mensagem de alerta atestando os maiores danos causados ​​pelo fumo.

A ereção é um mecanismo biológico extremamente sensível. O pênis reage bem antes dos outros órgãos aos distúrbios do tipo fisiológico ou psíquico.

Uma das causas mais importantes da disfunção erétil é, entre outras coisas, o tabagismo crônico .

O estresse da nicotina promove a liberação de hormônios ou neurotransmissores como dopamina, serotonina e norepinefrina, que também são conhecidos como hormônios da felicidade. Além de um bem-estar típico (estimulação, vitalização) que é uma espécie de efeito de recompensa do tabagismo, a nicotina também causa uma constrição dos vasos sanguíneos e, a longo prazo, a falta de suprimento de oxigênio ao nível de diferentes órgãos. É assim que fumar também é causa de impotência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *